2009-06-01

Ética e comunicação do futuro: Criatividade e inteligência colectiva para a comunicação do futuro

Muito do que aprendi no passado continua válido mas a maioria deve ser adaptado à comunicação com as novas tecnologias.

Há duas necessidades que me parecem prioritárias: ética de novos comportamentos e normas standard de um governo global da ONU ou uma Neo-ONU especialmente adaptado ás novas necessidades criadas pelas novas tecnologias.

Para isto eu tenho ideias que me parecem originais e outras simples mas importantes para uma psicologia, sociologia e filosofia da comunicação do futuro.

O futuro muda sempre mais rapidamente e necessita de contínuas adaptações. As novas tecnologias oferecem enormes possibilidades de aproveitar a criatividade e inteligência colectiva para inventar o futuro.

Albert Eintein disse que a educação é o que fica depois de esquecer o que aprendemos na escola. Creio que esta frase está cheia de sabedoria do comportamento e opinião pública. Trabalhei em dezenas de países de 4 continentes e sempre encontrei comportamentos e crenças típicas de cada país. Mas creio que no futuro será diferente. A escola do futuro não tem fronteiras. A nova informação com as novas tecnologias ainda não tem ética nacional ou global nem normas globais. Mas com melhor ética e normas globais as novas tecnologias podem ser muito mais úteis. Sem ética e sem normas de comportamento o melhor das novas tecnologias perde mais de metade da utilidade social que podia ter.

Por exemplo o e-mail perde grande parte da sua utilidade se mais de 90% das mensagens é de spam. O telefone gratuito pode tornar-se não só inútil mas mesmo prejudicial por não deixar trabalhar com a publicidade, vigarices e spam.

Sem comentários:

Publicar um comentário