2013-05-27

Criatividade e inteligência coletiva para um futuro melhor online: ganhar, ensinar e aprender de casa com ética e utilidade social?

Sonho criar um grupo internacional com uma missão: Ganhar dinheiro, ensinar e aprender online com ética e de utilidade social.
Alguém tem ideias e quer colaborar a inventar empregos de usar as novas tecnologias para trabalhar de casa em colaboração com outros? Escrever um ebook com o melhor da experiência de cada um e divulgá-lo através de um blog, redes sociais, comentários online? Alguém quer colaborar a um ebook coletivo e blog sobre “TIL=time is life, TEMPO É VIDA”? Ou sobre Ganhar dinheiro, ensinar e aprender online com ética e de utilidade social? ... 
Selecionar as relações online com elites de elevada ética, moralidade e utilidade social, divulgar e colaborar participando nos lucros de afiliações?
Editora online de obras coletivas com a colaboração de elites de ética, moralidade, bom senso de justiça e utilidade social?
Premiar os melhores e converter ou excluir os piores será a forma de melhorar o futuro online.
A primeira manifestação de ética está no respeito do tempo dos outros online. Para isso é importante a exclusão da mentira e a prioridade ao mais importante. A publicidade sem ética, com engano e perda de tempo tenderá cada vez mais a tornar-se repelente e inútil. Ganhará quem a combater e tiver confiança merecida do público pela verdade, honestidade e utilidade social. A melhor publicidade futura correrá online “de boca em boca” mas com meios de premiar os melhores e exclusão ou punição dos piores que não se quiserem converter e corrigir.
As novas tecnologias devem tender a premiar o navegador online mais ético, honesto e socialmente útil.  
Cada navegador satisfeito será a melhor publicidade para os melhores e exclusão dos piores.
O Facebook pode ser uma forma de criar relações humanas, sociais ou profissionais globais, sem fronteiras, com certas afinidades éticas, morais, emocionais ou profissionais. Mas certa publicidade transformou certas relações no Facebook como expressão da pior prostituição mental dos sentimentos, emoções, gostos, cultura e certa civilidade ou incivilidade. Prometem um ebook gratuito. Mas fazem perder muito tempo para o darem na condição de dizerem a todo o mundo que gostam do ebook ainda antes de o terem recebido.
Aceitar convites de amizade de desconhecidos que oferecem um presente gratuito ou qualquer benefício na condição de dizer que “gosto”, “like” no Facebook não é uma forma de prostituição mental dos gostos com piores consequências de certa prostituição tradicional?
Creio que o prestígio de Facebook, Google, redes sociais, serviços e informações dependerá da facilidade de premiar os melhores em ética e utilidade social online com punição para certas formas de prostituição mental que só servem para roubar tempo com danos sociais da prioridade ao pior.
Selecionar e ordenar por prioridade o que cada um considera melhor pode ser uma forma de serviço e criação de prestígio online que se pode traduzir por benefícios econômicos.