2012-06-19

Publicidade, publicitários, advogados, juízes, magistrados, NEO-publicidade, NEO-surrealismo, NEO-anarquia e NEO-justiça-futura

Num só dia uma pessoa em Berlim recebe na sua caixa do correio mais de um quilo de papel com publicidade gratuita.

Cada dois dias deve fazer 10 km de carro à sua segunda casa porque a caixa do correio fica cheia e pode perder correspondência importante por não caber dentro ou encontrar a casa assaltada porque a correspondência a sair da caixa do correio é sinal de que a casa está vazia.

Imaginemos as consequências sociais para o futuro do Planeta se este sistema de consumo se alarga aos novos ricos, aos outros continentes mais pobres.

Imaginemos um milhão de pessoas que recebe por dia esta quantidade de papel com publicidade: Quantas florestas destruídas? Quantos mortos de fome porque alguns terrenos que podiam produzir alimentos são ocupados durante 20 ou 30 anos com árvores para pasta de papel?

Esta publicidade economiza tempo? Ou orienta para a perda de tempo à procura do produto mais conveniente? Orienta para um melhor consumo? Para a melhor relação preço-qualidade? Ou com grande probabilidade de orientar para quem investe mais em melhor qualidade da publicidade do que do produto?

A publicidade do futuro com Internet substituirá grande parte desta publicidade? Com quais vantagens ou desvantagens em tempo, ecologia, ética social e qualidade de vida? Ou grande parte da publicidade deve desaparecer para dar lugar a melhor informação e outros sistemas de orientação do melhor consumo?

Eu penso que os publicitários e advogados do futuro devem ter em conta a ética e justiça global se querem ter prestígio e consideração. Os publicitários milionários ladrões do tempo e os advogados milionários ao serviço das piores injustiças dos piores mafiosos e criminosos serão a vergonha da publicidade e da justiça.

A publicidade persuasiva deve dar lugar à publicidade informativa, ética e social. Os peritos da publicidade persuasiva devem ter em conta o tempo e ética social do consumo. Os melhores publicitários serão missionários de um mundo melhor. As pessoas comprarão os seus produtos ou produtos que eles publicitarem pela confiança que merecem. Para isso os melhores publicitários não se vendem a quem paga mais mas a quem tem os melhores produtos, melhor relação preço-qualidade ou melhor utilidade social global.

Imagino a melhor fábrica de mesas para PC que financia uma obra de arte a estimular ecologia, ética e utilidade social que salva mortos de fome.

Imagino que serei recordado como fundador do NEO-surrealismo, um movimento económico, filosófico, cultural e artístico para um futuro melhor para todos. Ao contrario de Maquiavel, (Machiavelli em italiano), e da sua filosofia de certos meios a justificar certos fins locais do “principado”, certos meios justificam certos fins de utilidade social global superior.

Todas as leis locais ou nacionais passam a ter um valor relativo quando são confrontadas com interesses globais muito superiores para o mais elementar bom senso de justiça. Por isso eu considero-me um profeta de uma NEO-anarquia que não quer dizer ausência de leis mas valor relativo das leis dependentes de melhores hierarquias. Por outras palavras, grandes juízes em melhores hierarquias da justiça, mais e melhores magistrados com menos e piores advogados.

Sem comentários: