2011-08-25

J3M=JUSTIÇA EM 3 MINUTOS, NAF, RNM, FFF, PTV, GGGA, GGG, ALM

Com a justiça tradicional há milhões de leis, tratados internacionais, custos judiciais e burocracias antiquadas que muitas vezes servem mais a aumentar as piores injustiças do que ao essencial do mais elementar bom senso de justiça. Um GRANDE MAFIOSO, GRANDE LADRÃO e GRANDE ADVOGADO estudou com dinheiro dos contribuintes a roubar sem pagar ou fazer fortuna a contribuir para piores ladrões não pagarem às vítimas. Roubou-me o que tinha economizado em muitos anos de trabalho. Paguei para uma justiça que o condenou à prisão e pagamento de parte das vigarices mas não passou de uma finta condenação. Passei a odiar um sistema de justiça impotente contra os piores MAFIOSOS, LADRÕES e CRIMINOSOS que ou são GRANDES ADVOGADOS ou têm a colaboração dos melhores profissionais ao serviço das piores injustiças.
Hoje tento recuperar o tempo perdido transformando este caso em símbolo da velha injustiça tradicional e de uma nova justiça que em 3 minutos possa fazer melhor.
Imagino um tribunal online a oferecer justiça gratuita em 3 minutos e seguimento a pagamento. Bastaria ter um formulário onde escrever o essencial da queixa e o que se pretende. O espaço não permitiria mais do que o principal que pudesse ser lido em um minuto. Um sistema de justiça internacional da ONU ou uma Neo-ONU registava automaticamente o meu pedido de justiça e passava-o a um juiz online disponível que emitia um primeiro juízo provisório condicional: "Se é verdade … o reo será condenado a pagar …" A queixa e condenação provisória condicional passaria ao réu por email certificado que poderia negar tudo, aceitar tudo ou admitir parte e propor alternativa à condenação. O mesmo juiz podia aceitar a nova proposta ou confirmar a anterior sentença. Se o caso fosse resolvido positivamente em 3 minutos o juiz não ganhava nada mas receberia pontos para a sua promoção, possibilidade de ganhar mais com outros casos, prioridade onde se ganhasse mais.  Se o caso não se resolvesse em 3 minutos, o juiz podia estabelecer o seu preço por minuto de trabalho e dedicar mais tempo à compreensão e resolução do conflito com nova sentença, tentando fazer pagar o seu tempo, tempo de outros colaboradores de justiça e danos da vítima a quem tivesse menos razão, tivesse dito mentiras ou não tivesse aceite a sentença mais justa. Se o caso não se resolvesse com um único juiz passariam a 3, 5, 7, 9, ou… sempre em número impar. Para sentenças discutíveis com número quase igual de pro e contra seria fácil o apelo. Para sentenças de unanimidade só em condições muito particulares, descoberta de novos elementos e se o recorrente tivesse dinheiro para pagar os custos da continuação. Só em casos raros o Estado pagaria para evidentes vítimas de criminosos. A prioridade da justiça não deve ser de meter na cadeia quem errou uma vez mas converter os criminosos de profissão a indemnizarem as vítimas e a sociedade. Com a justiça tradicional conheci casos que me parecem imoralidade, injustiça e estupidez ao mais alto nível. Se um grande advogado-ladrão-mafioso fosse 9 meses para uma prisão tradicional conforme foi condenado da justiça italiana eu teria menos probabilidade de ser indemnizado dos danos que me causou, mais possibilidade de ser vítima de novos amigos mafiosos que muito provavelmente conheceria na prisão. Contribuintes de Portugal pagaram para uma pessoa inteligente aprender a servir a criminalidade e injustiça. Contribuintes italianos pagaram para uma justiça com 95% de processos em prescrição e 5% de sentenças como esta que só ficam no papel. Se fosse para a prisão pagariam €1.000 só pelas burocracias de entrada na prisão mais €70-€600 por cada dia de ociosidade a preparar corpo e mente para continuar pior.
Imagino uma justiça em 3 minutos em que eu pediria 10 milhões de euros de indemnização para os meus danos e da sociedade. Um juiz decidiria depois de escutar as suas razões. Se desse juízo em 3 minutos não resultasse uma indemnização consistente eu continuaria. Se provassem que ele não é ladrão e mafioso ou a minha queixa é falsa seria eu a pagar os custos, não os contribuintes de Portugal e Itália. Se a minha queixa fosse atendível ou comprovada seria ele a pagar ou a trabalhar em condições de liberdade limitada até me pagar o que me devia. Sobretudo não poderia viver no luxo com o meu dinheiro e a minha miséria económica, psicológica e moral.
(Nota cada uma das abreviaturas deste título pode servir a encontrar milhares das minhas páginas online para livros, ebooks, pebooks, programas de TV ou filmes orientados para uma melhor justiça futura).