2012-07-31

Depressão, amor, ódio, perdão e justiça, (APAV, AVI, GGGA)


O amor pode ser o melhor remédio para a depressão.
O ódio pode ser o maior veneno.
Não tenho dúvida de que para mi teria sido melhor se tivesse seguido o conselho de amigos, familiares, advogados e juízes que me aconselharam a esquecer o grande advogado ladrão mafioso, (GGGA), que um dia me roubou o que tinha economizado em metade da minha vida. Se tivesse perdoado e esquecido não teria destruído a minha vida com ódio e luta por justiça.
A APAV reconheceu o meu estado de depressão e encaminhou-me para tratamento psiquiátrico no Hospital de Santa Maria em Lisboa. Depois de 3 sessões pensei que a cura não fazia mais do que fazer-me esquecer a minha luta por justiça. Pensei que a cura estava a transformar um revolucionário da justiça em acomodado. Pensei que se não obtivesse justiça o facto continuaria no meu inconsciente a fazer mais mal do que se tentasse obter justiça. Desisti da continuação do tratamento. Ainda não sei se fiz bem ou mal. Imagino que se tivesse conseguido perdoar e esquecer seria melhor para mi. Mas para a sociedade? O que escrevi sobre justiça deu um contributo para a melhorar?
Imaginei uma associação, (AVI), ou clube online, (membership), de voluntários para uma melhor justiça, (VMJ), …
Revolução da justiça ou perda de tempo?

Sem comentários: