2009-06-19

AZNAR, BERLUSCONI, BUSH, INTELIGÊNCIA, POPULISMO, DEMOCRACIA, TERRORISMO, INFORMAÇÃO, PUBLICIDADE, MARKETING, REFERENDUM E OPINIÃO PÚBLICA

Aznar apoiava a guerra de Bush ao terrorismo contra 91% da opinião publica do seu pais. Berlusconi disse: um político nem sempre deve seguir as resoluções mais populares. Por vezes há decisões impopulares num momento que se revelam úteis a longo prazo.

Será este o caso? Aznar será considerado inteligente por esta sua decisão contrária à opinião pública? Será considerado um herói? Se nunca se saberá se fez bem ou mal.

Perdeu as eleições em favor de Zapatero por causa de um atentado terrorista. Todas as sondagens de opinião lhe davam grande margem de vitória mas um atentado terrorista mudou as intenções de voto. Eu tive a impressão que os que mudaram intenção de voto por medo do terrorismo e dando a vitória a quem combatia menos o terrorismo fez um presente ao terrorismo. Pareceu-me uma cobardia ceder ao terrorismo. Se a opinião pública reagisse contra o terrorismo votando quem o combatia mais serviria a evitar o terrorismo? Ou nunca se saberá?

Se à primeira vítima do terrorismo a reacção política e da opinião pública fosse mais contrária seriam tantos mortos?

Itália teve um período de veneração pelos terroristas. A última terrorista "venerada" ou "santificada" da opinião pública foi Silvia Baraldini. Escrevi e publiquei na Internet milhares de páginas a colocar em ridículo a "velha Itália" e o seu ridículo "ministro da terrorista" Oliviero Diliberto, um ministro da justiça comunista que ficou famoso pela sua prioridade a importar a terrorista anti-americana. Os meus escritos contribuíram a mudar a opinião pública italiana? A opinião pública ainda continuou dividida a propósito do terrorista Cesare Batistti, mas só uma minoria comunista ou de esquerda o considerou um herói.

Aproxima-se mais um referendum em Itália que me parece mais uma estupidez. Certos referendos técnicos como o do nuclear ou da forma de votação parecem-me uma estupidez porque fazem perder muito tempo para um resultado mais populista do que inteligente, mais resultado da publicidade e marketing do que informação e conhecimento, mais crenças do que verdades.

Imagino que 8 ou 8X8 representantes dos diversos partidos em algumas horas faziam melhor democracia do que o resultado do referendum. Estou convencido que 99% dos mais inteligentes da actualidade concordam que o referendum que aboliu o nuclear em Itália em 1986 foi um dos maiores erros económicos da política italiana com 80% dos votos daquele momento. A emoção do desastre na Rússia condicionou aquele voto. 

Tempo, linguagem universal, abreviaturas internacionais e global standard

USA (não EUA) , USA (no-não-EUA) ,

Mais em italianoreferendum

Sem comentários: