2011-09-30

Berlusconi, Mário Soares, Craxi, informação à portuguesa e justiça à italiana

Recordo o escândalo causado em Portugal por Mário Soares ter visitado o seu amigo Craxi, quando estava no exílio em Tunísia, onde morreu para evitar a prisão em Itália.

Confesso que também eu participei dessa emoção geral de escandalizados. Tenho a impressão que nessa altura pensei que era o facto mais negativo que conhecia de Mário Soares. Hoje penso totalmente diferente. Procurando Berlusconi com Google encontrei em primeiro lugar um artigo a dizer o pior de Berlusconi e grandes elogios à justiça que condenaria Craxi a 20 anos de prisão. Em Itália é possível que o boss mafioso da pior banda criminal seja preso várias vezes e mandado em liberdade no dia seguinte.  Grande parte dos boss mafiosos passam de 2 a 6 anos de prisão e são julgados pelo mesmo juiz até 4 vezes. Da prisão continuavam a gestão da actividade mafiosa antes de Berlusconi firmar a lei mais eficiente contra a máfia, o 41bis. A Bari, só de uma vez foram postos em liberdade 51 presumíveis boss mafiosos porque uma juiz em promoção não teve tempo de escrever umas 500 paginas que exigia a sentença. Para os boss mafiosos faltam magistrados. Para Berlusconi mais de 1.000 magistrados, segundo algumas fontes, usaram interceptações e melhores tecnologias para familiares e amigos tentando condená-lo. Procurando hoje Berlusconi quase só se encontra o mais negativo da sua vida privada. A notícia menos negativa que vi: Berlusconi consegue ter seis relações sexuais por semana. Imagino que Berlusconi, Craxi e Andreotti foram mais perseguidos pela justiça de 10, 100 ou 1.000 boss mafiosos e na informação faz milhões de vezes mais notícia um escândalo do sexo de Berlusconi que 95% dos processos em prescrição com prioridade para mais perigosos mafiosos. Craxi pode ter feito o colaborado a muita coisa ilegal mas que faziam todos os partidos daquele período. Se Craxi passasse 20 anos de prisão numa Itália com os piores mafiosos a morrerem de “inocentes” seria para mi maior vergonha da justiça do que da política. Imagino que a informação tratou Craxi como trata hoje Berlusconi, com prioridade ou quase exclusividade do negativo. Segundo alguns o negativo dos VIPs faz 7 vezes mais notícia do que o positivo. Tenho a impressão que neste momento na informação internacional o negativo faz 70 vezes mais notícia do positivo.